Criatividade: aprenda novamente o que você foi obrigado a esquecer

adicciones

Você já deve ter ouvido falar da tal economia criativa, fenômeno derivado das novas tecnologias que levaram ao barateamento de alguns processos e que, aliada ao aumento de renda e ao acesso à informação, tem modificado profundamente as relações de trabalho.

Se não ouviu, podemos dizer que a economia criativa nada mais é do que processos que envolvem criação, produção e distribuição de produtos e serviços, usando o conhecimento, a criatividade e o capital intelectual como principais recursos produtivos. No Brasil, esse braço da economia dobrou de tamanho nos últimos anos.

Ela está em várias áreas: arquitetura, design, comunicação, cinema, teatro, gastronomia, turismo, artesanato etc. Há, inclusive, uma Secretaria própria no Ministério da Cultura porque cada vez mais se criam postos de trabalho criativo.

A principal queixa dos empresários desse setor é a dificuldade de encontrar mão de obra, uma vez que é necessário trabalhar com profissionais que tenham competências de empreendedorismo e que atuem de forma multidisciplinar. Em outras palavras: o sujeito tem que ser capaz de criar e dar sentido para a sua criação. E, sim, não é em qualquer esquina que encontramos criatividade. Para suprir essa falta já existem cursos que ensinam como ser criativo. Através de jogos cooperativos e exercícios mentais, você treina o seu cérebro para buscar soluções fora da sua zona de conforto e o resultado disso é inovação. O tal pensamento fora da caixa.

Mas pense comigo: não há alguma coisa estranha nisso tudo? Qualquer criança cria brincadeiras, organiza regras, gerencia equipes, trabalha cooperativamente. E elas fazem isso naturalmente: ninguém ensina uma criança a fazer isso, apenas estimulamos o que elas já têm a oferecer com jogos e brinquedos, que funcionam como exercícios mentais criativos, que contribuem para o desenvolvimento do tal pensamento fora da caixa. Crianças são naturalmente criativas e, por isso, brincam e fantasiam. Ora, se todos já fomos crianças, por que precisamos de um curso para aprendermos a ser criativos?

Porque em algum ponto do caminho começamos a desaprender. Vamos perdendo nossa capacidade para inovação. O estimulo à competição e à cultura de demonização do erro são os pilares da escola tradicional e passamos anos tolhendo nossa criatividade, relegando esse impulso natural a uma pejorativa infantilidade.

Os horários rígidos e a quantidade excessiva de atividades extra curriculares que impomos às crianças tiram o tempo do ócio criativo e as fazem acreditar que precisam que alguém lhes diga o que fazer. Depois dessa lavagem cerebral, se por qualquer motivo, elas se encontram a sós, em silêncio, sem uma agenda ou um próximo passo definido, ficam inseguras e buscam conforto, anestesiando os sentidos com programas de TV, iPads e celulares simultâneos.

A criança que um dia fomos já morreu há muito tempo e o resultado disso é que nos sentimos perdidos. Perdemos a capacidade de produzir de forma criativa. Pior ainda: matamos a criança que nos olha, procurando alguma empatia. “Vai estudar! Chega de brincar! Você não é mais uma criancinha!” Infelizmente, fazemos isso com a melhor das intenções. Acreditamos que ao podar a criatividade das crianças, estamos garantindo um futuro mais próspero. Vale lembrar que, ao que tudo indica, o futuro não é mais como era antigamente.

Até o mercado de trabalho, com todos os seus problemas de competição, de estímulo irracional ao consumo e ao canibalismo em relação aos recursos naturais, já percebeu a necessidade da inovação através da criatividade, para sair da armadilha insustentável em que o mundo se meteu. Mas o mundo não vai mudar se esquecermos quem somos para depois reaprendermos. Uma educação livre é a fundação desse novo paradigma. O futuro é uma criança.

Mauricio Zanolini

3 thoughts on “Criatividade: aprenda novamente o que você foi obrigado a esquecer

  1. Lo que nos hicieron, seres que estamos para copiar y grabar datos de un “maestro que fue antes otro caso de copiar y grabar datos de un otro maestro”, la escuela la formaron para defender siertos interes, y no para aprender a ser nosotros mismos.
    Seres pensantes, creativos y verdaderos libre pensadores en sus diferentes niveles de evolucíon, verdaderos espiritus con cuerpos y no cuerpos con espiritus. en esto consiste la diferencia por eso estoy totalmente de acuerdo con la reenovación de la educación.
    Un fuerte abrazo.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s