Sintomas de Tempos Difíceis: A Polícia

Em casa, com meus filhos, temos o hábito de colocar a televisão no youtube.com e cada um escolhe uma música. Esse fim de semana, cada um deles colocou músicas de grupos que aqui chamamos da periferia e, nos EUA, das minorias. Duas realidades diferentes, mas o pano de fundo igual: guetos de pobreza, discriminação com negros e mestiços e um sentimento de impotência frente à violência daqueles que querem que essa situação perdure.

A violência nos vídeos era representada pela opressão policial, um sintoma evidente de que há forças repressoras em sociedades desiguais (a causa).

police_brutality

Nos vídeos em que vimos, temos a polícia como o agente de “colocar tudo em seu lugar” sempre em ação; algumas vezes usando a força bruta dentro de ações supostamente legais, como contenção de manifestação; algumas vezes agindo de forma ilegal com o seqüestro de algum líder comunitário, muitas vezes só garantindo que o garoto negro e pobre não ande por onde não deveria pensar em andar.

Vemos isso no Brasil e vemos isso nos EUA, país que expõe suas mazelas por meio da música e do cinema, porém, no Brasil muitas vezes, pela barreira do idioma, essas expressões culturais são consumidas como entretenimento. Assim, pode-se observar que o posicionamento da polícia como agente primeiro de repressão das minorias e dos excluídos é um fenômeno mundial.

O recrudescimento mundial das ações da polícia expõe o quanto adentramos em momento histórico difícil. A violência em si já é problemática, mas é preocupante o recrudescimento dos governos que lançam mão de sistemas violentos para o controle das massas, controles que atacam os descontentes com a exclusão e a falta de horizontes em sua vida, mas longe de atacar e resolver as causas desses sintomas tão perfeitamente compreensíveis por qualquer um que tenha empatia pelo outro.

Em outras palavras, polícia mais violenta não significa população mais perigosa, pelo contrário, é sintoma de sistema político social de exclusão e de manutenção sistemática desse sistema.

Quanto ao Brasil, bastam 20 minutos de telejornal para se verificar o que está acontecendo nesse sentido. A polícia, ao agir para manter a ordem das coisas, do jeito que está sendo usada, suscita duas vertentes também catastróficas: a primeira é a solução ultra direitista, com a instalação do Estado de exceção, a segunda é a revolta armada dos grupos.

Nenhuma das duas vertentes chegará a lugar algum, mas se fizerem qualquer movimento haverá muito estrago. Então, o que nos resta? Atacar as causas crônicas da desigualdade que assola o mundo, em particular no Brasil. Enquanto o sistema social, político e econômico promover exclusão, não haverá paz e o sistema dominante usará da força bruta para conter os descontentes, principalmente pela mão pesada da polícia.

Alexandre Mota

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s