Recomeços

A página ou a tela em branco, o pesadelo e o motor de todo escritor, de todo artista. O sol que insiste em nascer todos os dias, os anos que acabam, a passagem do tempo que nos impele a seguir em frente. Precisamos criar/buscar incessantemente, senão acabaremos como o Fausto de Goethe que, quando se deu por satisfeito e parou, teve sua alma arrancada pelo demônio.

sand-swoop.jpg.650x0_q70_crop-smart

Os paralelos entre vida, educação e arte são tantos que eu arrisco dizer que são a mesma coisa. Um exemplo são os filmes que nos fazem ver a nós mesmos em seus personagens. Histórias são sobre arquétipos e não sobre esteriótipos. Por mais local e específica que seja uma narrativa, o que nos conecta a ela é a sua universalidade, sua capacidade de dialogar com nossa essência. O impacto de uma história depende da coragem do escritor que encara a página em branco e se decide pelo diálogo.

Criar é mergulhar na vida de cabeça. Se expor à criação do outro é também fazer essa imersão (a ideia de escapismo que o entretenimento carrega é portanto uma falsa ideia). Educar é criar, é uma forma de ARTE e abrir-se para aprender é mergulhar nessa arte. A relação dialética da educação é a possibilidade mais latente de conexão com a essência, conexão essa que é filha da empatia e neta da autocrítica, todas descendendo da percepção do eu, da singularidade que nos define e nos diferencia.

Partimos do ego e através da criação/arte/educação/vida vamos expandindo, comparando, encontrando conexões e atingindo a essência, num movimento circular de retorno à ordem inicial. Mas ao retornarmos, já não somos mais aquele que partiu, como o herói das histórias, que enfrenta perigos, encontra mestres e parceiros, adquire habilidades e enfrenta seus monstros, quando voltamos aos campos verdes, ao balançar da rede na varanda, ao riso e ao silêncio, estamos mais inteiros, amadurecidos, capazes de ver a beleza onde antes não víamos nada.

Recomeços são páginas em branco precedidas dos círculos de todas as narrativas anteriores que nos fizeram o que somos hoje. Podemos preencher essas páginas com criatividade, buscando soluções inovadoras para nossas relações e nossas responsabilidades, ou podemos repetir o roteiro das histórias que já escrevemos no passado. Ao criar novas histórias, estamos nos autoeducando, fazendo arte, nos superando/transcendendo/evoluindo. Recomeços são oportunidades.

Nós da Universidade Livre Pampédia desejamos a todos um ótimo recomeço de ciclo! Feliz 2016!

Equipe da Universidade Livre Pampédia

One thought on “Recomeços

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s