Círculo de Doutorandos Informais: autonomia e comunidade autêntica

Martin Buber (1878-1965) – filósofo, jornalista e teólogo judeu – diferenciou três tipos de comunidade:

  • a comunidade natural, que é consequência das primeiras aglomerações humanas e reúne compulsoriamente os homens na busca de melhores condições de vida ante a opressão da natureza.
  • a comunidade fragmentada que é a associação de indivíduos em contextos específicos como o trabalho, a religião, o partido, como se vivêssemos várias vidas distintas numa mesma existência.
  • a comunidade autêntica, na qual as relações entre os indivíduos acontecem pela vontade de forma imediata, independente de singularidades como profissão e gostos, e além disso acontecem de forma total, em todas as dimensões do homem – física, espiritual, afetiva, cognitiva. A ligação se dá na essência, na igualdade.

Martin_Buber_portrait

Hoje, conceitos como diversidade, inclusão e sustentabilidade, evidenciam a necessidade de se construir uma nova forma de vida comunitária, o que reforça a ideia da comunidade autêntica que para Buber é a inevitável sociedade do futuro.

Para que os educadores construam essa nova comunidade através da relação destes com os educandos, Buber propõe algumas ideias. Entre elas a construção de um vínculo fraterno entre os professores/orientadores/tutores/mediadores, voltada para o outro, profunda. A construção de uma relação comunitária entre educandos e educadores, que permita a um experienciar a visão do outro invertendo os papéis. A interação das diferenças (singularidades), como as de gênero e de faixas etárias, com troca de experiências e empatia.

As propostas de educação alternativa que buscam a autorrealização, a autonomia e a produção de conhecimento a partir de uma nova epistemologia devem mergulhar na construção de uma comunidade autêntica para que as mudanças sejam mais profundas, indo além da crítica à certificação institucionalizada do conhecimento.

Neste contexto, cito aqui o encontro que acolhemos no nosso espaço. Um encontro sobre Doutorado Informal – proposta de Alex Bretas, um desses jovens que vem inovando o conceito de educação, como André Gravatá, Gérman Doin e outros que participaram do II Congresso de Educação, Espiritualidade e Transformação Social no semestre passado, promovido por nós.

A proposta do Círculo de Doutorandos Informais (CDI), primeiro de uma série que já tem mais algumas datas agendadas pelo Brasil, é promover o encontro de pessoas diferentes, provocar conversas significativas e a partir dessa interação mapear as motivações, as dúvidas e os caminhos possíveis para dar vazão a um projeto de vida / doutorado informal.

A informalidade desse Doutorado proposta nos CDIs é consequência do projeto e futuro livro de Bretas –Educação Fora da Caixa – que investiga formas de produção de conhecimento motivadas pela paixão, pela aprendizagem em oposição às formas burocráticas e ao jogo político que norteia parte da produção acadêmica nas Universidades.

No encontro, pessoas com diferentes visões de mundo se conheceram para expor suas biografias de aprendizagem, o mapa cronológico da construção do conhecimento, dos erros e acertos de cada indivíduo, sem filtros, contando com a escuta atenta e sem julgamentos de completos desconhecidos.

Esse movimento de entrega e vulnerabilidade foi o primeiro passo para a revisão dos medos e das motivações que influenciaram e ainda guiam nossas dúvidas e decisões. Ser acolhido e acolher histórias de vida é ao mesmo tempo profundo e inspirador.

Na sequência do encontro, compartilhamos os sentimentos e as percepções sobre essa abertura que nos fez mais conscientes e mais centrados. Foram colhidas palavras aqui e ali que apresentadas assim soltas ao final dos comentários fizeram uma costura, ligando pontos, buscando sentido.

1*-_1_Z4glneybwEKz7KTaLw

Com foco nos projetos pessoais, se desenharam propostas como manchetes de jornal, vendidas e compradas, escolhidas, votadas. Chegamos a quatro propostas e nos agrupamos em torno delas, discutindo passado, presente e futuro. Mapeamos a trilha de cada projeto e adivinhamos seus próximos passos. Por vezes ainda nem havia projeto, em outras só faltava veemência no incentivo.

Uma vivência de poucas horas intensas e saímos dela mais acordados, com planos mais claros e fortalecidos por novos elos e novas ideias.

Penso que todo projeto de produção de conhecimento deveria ser arejado assim, de forma colaborativa, por pessoas de escuta atenta. Passar pelo filtro de olhares diversos é um exercício muito rico, traz um frescor para ideias empoeiradas, desfaz mitos e aponta novos caminhos. Em propostas assim, a autonomia em relação a instituições tradicionais de ensino se alia a processos colaborativos e trabalho em rede criando um sentido de comunidade.

O trabalho colaborativo e em rede é o novo paradigma deste nosso jovem século XXI e a iniciativa dos CDIs de Alex Bretas é um belo começo!

Maurício Zanolini

6 thoughts on “Círculo de Doutorandos Informais: autonomia e comunidade autêntica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s