Era uma vez uma Universidade que virou fábrica?

Chaplin-Tempos-Modernos-trabalho01.

Durante uma aula magna na USP, a professora Marilena Chiauí disse que a Universidade brasileira se submeteu à ideologia neoliberal e a USP (e suas congêneres) “transformou-se numa fábrica de produzir diplomas e teses, tendo como parâmetros os critérios de produtividade: quantidade, tempo e custo.” (saiba mais aqui).

Nesse momento histórico, a produção de conhecimento está submetida a critérios de produtividade acadêmica que pretendem reduzir a pesquisa, o debate filosófico e a ação social à mecânica produção de artigos.

Docentes e pesquisadores são avaliados como se fossem operários cuja produtividade tem que ser medida anualmente. Nesse contexto, a liberdade de pesquisar e construir fica engessada por parâmetros em que a avaliação da CAPES entra como fator de coerção de toda a pesquisa.

Ao mesmo tempo, a crítica que podemos fazer à universidade contemporânea, cujo modelo é importado dos Estados Unidos é que ela tem nas últimas décadas feito um jogo muito perigoso de conluio e submissão ao financiamento das grandes corporações. Noam Chomski tem alertado para a “corporativização das universidades” e da educação em geral.

Por outro lado, a Universidade, essa velha instituição que tem mil anos de idade, apesar de seus poderes hierarquizados e seus conservadorismos, prestou sim grande serviço à humanidade, gerando conhecimentos, abrigando pesquisa de ponta, fazendo nascer mesmo em seu seio rebeldias filosóficas que mudaram a face do planeta.

A primeira reunião formal de equipe que fizemos tendo como tema a construção de um projeto que pretende implantar uma Universidade Livre no Brasil partiu dessas reflexões. Entendemos que o nosso objetivo não é simplesmente matar a universidade, mas fazê-la renascer em outro formato, mais livre, mais autônoma, mais aberta, mais democrática.

A abertura que pretendemos é a que permite um itinerário de formação e pesquisa mais individualizado, que promova uma desierarquização institucional, que trabalhe num sentido de interdisciplinaridade e que permita a inclusão de temáticas e de formas de expressão por ora marginalizadas na Universidade tradicional.

Mas essa abertura não pode fazer tábula rasa dos métodos de pesquisa desenvolvidos nos últimos séculos, não pode desprezar a racionalidade e a consistência do conhecimento: ou seja, não pode simplesmente favorecer um niilismo epistemológico, adotando um vale-tudo caótico, que poderia nos fazer mergulhar num obscurantismo mágico, reconduzindo-nos à Alta Idade Média, justamente antes da fundação das universidades e que foi um período de analfabetismo generalizado e de declínio cultural.

Já alertamos num artigo dos riscos que corremos de uma volta à Idade Média, no que ela teve de pior. Várias características já nos ameaçam o horizonte nesse sentido como a superficialização da informação, o aviltamento da linguagem, as tendências irracionalistas e fundamentalistas.

Assim, a criação de uma Universidade livre tem que ser um passo adiante e não um passo para trás. Por isso, recorremos à inspiração dos clássicos da Educação, sobretudo Comenius, que tinha um projeto muito bem alinhavado de “ensinar tudo a todos” (Pampédia), de constituir o conhecimento como “algo integral e integrado” (Pansofia).

Na verdade, já estamos constituindo essa Universidade Livre Pampédia há vários anos, com a produção de livros, com o curso de pós-graduação, com outros cursos e workshops livres, com projetos de aplicação, com congressos nacionais e internacionais.

A Universidade Livre Pampédia é a concatenação de todas as nossas ações, para integrar um só projeto. O que você pensa sobre isso?

Equipe Universidade Livre Pampédia

One thought on “Era uma vez uma Universidade que virou fábrica?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s