Sonho que Sonhamos Juntos

Um lugar onde os papéis de quem aprende e de quem ensina sejam simultâneos, onde haja autonomia na pesquisa e na experiência, onde as formas de construir e gerar conhecimento sejam múltiplas, onde o ponto de partida e o caminho sejam tão importantes quanto a chegada… A ideia de um espaço de aprendizagem livre – que hoje se configura no projeto da Universidade Livre Pampédia – já vem sendo gestada por nós há alguns anos. Mas – olhem que surpresa – nós não estamos sozinhos!

Este ano, ao nos debruçarmos sobre tudo o que já realizamos até então e ao reorganizarmos as ideias e ações em prol da constituição da Universidade, nos deparamos com propostas no Brasil e ao redor do mundo que têm trabalhado pelo mesmo sonho: uma educação sem amarras, em constante busca de conexão com a essência de cada indivíduo; uma educação que promova parcerias entre seres humanos, revelando agentes transformadores da sociedade (clique nas imagens abaixo para saber mais).

Captura de Tela 2014-12-12 às 10.32.23 Captura de Tela 2014-12-12 às 10.30.33 Captura de Tela 2014-12-12 às 10.29.37 Captura de Tela 2014-12-12 às 10.28.19

É claro que cada projeto tem suas particularidades, seus princípios, seus paradigmas e seus caminhos. O que importa, no entanto, é que nos encontramos em muitos pontos; e acreditamos que nos reconhecemos, principalmente, no princípio da AUTONOMIA.

Untitled

Em outubro, o jornal O Estado de São Paulo divulgou uma pesquisa realizada pela Fundação Catar que indica os valores, as habilidades, os tipos de currículo, as fontes de conhecimento e os papéis do educador que serão mais valorizados daqui a 15 anos. Cerca de 650 especialistas em todo mundo foram ouvidos para a projeção desse cenário. Os resultados apontam para formas de aprender que promovam o movimento autônomo e que considerem as singularidades de cada educando.

O que significa o encontro desses resultados com tantas propostas alternativas de educação e com o surgimento da Universidade Livre Pampédia? É uma coincidência, é uma tendência de educação ou é a busca por algo que nos pertence essencialmente, ou seja, a necessidade vital de exercer a liberdade do pensar, do agir e do sentir?

Como sabemos, a autonomia não é simplesmente autodidatismo ou uma suposta autossuficiência; não é estar sozinho no processo. A autonomia diz respeito à preservação da integridade do eu; ou seja, é estar presente nas relações e no mundo a partir do conhecimento de si mesmo, da compreensão do sentido da vida, das potencialidades, das dificuldades e dos processos internos de cada um.

Segundo o psicólogo alemão Erich Fromm, ao caminhar pela redescoberta de sua individualidade e pelo refinamento da escuta de si mesmo, o ser humano exercita sua liberdade e se vincula a outros indivíduos e ao mundo à sua volta através dos laços do amor e da atividade espontânea. Ele explica: “a atividade espontânea é atividade livre do eu e implica, psicologicamente, o que significa literalmente o radical latino do termo sponte: por sua própria vontade. Por atividade não temos em vista ‘fazer alguma coisa’, e sim a qualidade de atividade criadora que pode agir igualmente nas experiências emocionais, intelectuais e sensoriais da pessoa”.

O trabalho baseado na autonomia não pressupõe individualismo, não sugere que estejamos isolados. Muito pelo contrário! Ele nos permite encontrar parceiros ao longo de toda a caminhada, trocando e compartilhando o que há de verdade em cada um, porque vindo da essência.

Portanto, a busca – tanto individual quanto coletiva – por percursos de educação que promovam experiências de conhecimento autênticas não é mero modismo. Ela responde a uma necessidade radical (mesmo quando inebriada) de todo indivíduo de quebrar muros, de construir pontes, de florescer, de criar asas e de encontrar pares. É isso o que nos tem movido!

fromm

“A vitória da liberdade só será exequível se a democracia evoluir para uma sociedade em que o indivíduo, seu crescimento e sua felicidade sejam a meta e a finalidade da cultura, em que a vida não careça de nenhuma justificativa dada pelo sucesso ou qualquer outra coisa, em que o indivíduo não seja subordinado nem manipulado por qualquer outra força alheia a ele, quer seja o Estado ou a máquina econômica; e por fim, uma sociedade em que a consciência e os ideais do homem não sejam a interiorização de exigências externas, mas sejam realmente dele e exprimam os objetivos oriundos da peculiaridade de seu próprio ego.” (Erich Fromm)

Equipe Universidade Livre Pampédia

One thought on “Sonho que Sonhamos Juntos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s