A Transversalidade em Sala de Aula

Sou professor universitário e durante todos esses anos tive que lidar com classes heterogêneas em relação ao nível de conhecimento, formação cultural, origem socioeconômica, etc.

Brainstorm-blog-copy1

Minhas áreas de atuação sempre estiveram relacionadas a gestão empresarial, com destaque para recursos humanos e planejamento estratégico; matérias delicadas que estão ligadas ao propósito de maior retorno para os acionistas.

Pois bem, o maior retorno ao investidor é uma visão possível, mas também há teorias sobre a ação social da empresa e seu desdobramento na sociedade, pois falamos da dualidade força de trabalho e capital, assunto que não pode ser ignorado.

Ao longo dos anos, percebi que a visão da relação trabalho X capital está cada vez mais voltada para o capital, em detrimento da força de trabalho. Quanto mais vemos o fortalecimento do capital no dia a dia, mais vemos o capital mudar a nomenclatura do setor de recursos humanos, com denominações de colaboradores, talentos ou singelamente pessoas.

Educadores devem equilibrar suas aulas entre as teorias vigentes e alternativas, o educando deve ter liberdade para construir sua própria síntese sobre todos os assuntos.

Por mais que eu tenha uma visão mais social do que liberal, tenho que conhecer e dar conhecimentos sobre as correntes mais liberais aos alunos. E assim também um professor, que tenha uma orientação mais liberal, tem o dever de integridade intelectual de dar a conhecer aos alunos, as correntes mais voltadas para o social. Aliás, acho que os educadores devem ir além disso, promovendo discussões que possam libertar o pensamento dos alunos de anos e anos de treinamento dentro de uma linha de pensamento, seja qual for essa linha.

Voltando ao primeiro parágrafo, as classes são bem heterogêneas e para atingir o objetivo de abrir a mente dos alunos para a construção dessa síntese e tentar diminuir o máximo possível o viés de absorção ideológica passiva ou induzida, costumo lançar questões ligadas ao dia a dia para que possam servir de exemplo para o assunto da aula: pratico a tal transversalidade.

Lembro-me de uma aula de recursos humanos em que tratávamos de respeito às diferenças culturais por meio de um ambiente ascético, onde nenhum sinal ou símbolo religioso possa afetar a crença de um contra o outro. Um posicionamento simples poder-se-ia dizer, mas até que ponto a supressão de sinais e símbolos é sinal de respeito? Para ampliar o campo da discussão, coloquei na pauta a decisão francesa de proibir o véu das meninas nas escolas, um hábito importante da cultura islâmica.

As respostas foram diversas, mas se pôde discutir de forma aberta algo maior que a gestão de uma empresa. Cada um fez sua síntese e poderá no futuro encarar de forma mais elaborada a situação no campo de trabalho.

As discussões transversais devem ser direcionadas, utilizando-se temas mais abrangentes do que o assunto tratado, para melhorar a abstração e a capacidade de fazer convergir assuntos que aparentemente não são correlatos. No caso da aula de recursos humanos, o ambiente de trabalho foi ampliado para políticas educacionais e públicas da França, imigração, religião e direitos humanos.

Conforme a idade da classe, as abordagens transversais podem ser exploradas de diversas formas, quanto mais jovem, provavelmente, de forma mais lúdica e, com o exercício da técnica, evoluir para formas mais abstratas, o que formaria e combateria uma das deficiências notadas em alunos que ingressam no ensino superior, que é a baixa capacidade de interpretação e abstração de idéias a partir da leitura, embora muitos deles possam dissecar as frases do texto sintaticamente com perfeição.

Alexandre Mota

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s