De Pestalozzi para Pestalozzi: um projeto de tradução

De Pestalozzi para Pestalozzi – nome recém atribuído a este trabalho, foi um projeto de tradução de 8 semanas encomendado aos alunos do 5º. e 6º. semestres do curso de Letras Tradutor e Intérprete, na disciplina de Prática da Tradução – Gêneros Literários, da Faculdade Anhanguera, unidade Vila Mariana/SP – Brasil. O objetivo foi simples: traduzir 34 cartas de Johan Heinrich Pestalozzi sobre a educação infantil do texto original em inglês para o português do Brasil. Uma experiência pedagógica bem sucedida, profunda, interdisciplinar, pestalozziana, com requintes tecnológicos que aproximou a faculdade privada, a Editora Comenius e a Universidade Livre Pampédia.

Pestalozzi statue Peter Macinnis

A integralidade do projeto que tocou em várias dimensões do desenvolvimento individual e coletivo foi seu principal destaque. A dimensão afetiva foi explorada na aula inaugural do projeto, pois era preciso conectividade. Dora Incontri – certamente uma das maiores especialistas em Pestalozzi – foi convidada para falar aos alunos e inteirá-los sobre a relevância do trabalho. Houve brilho nos olhares! A conexão necessária jamais se perdeu no transcurso do trabalho. Mas essa aula inaugural não significou só isso – como se já não fosse bastante – instaurava-se ali a conquista de uma sinergia emblemática e tendência mundial nos dias de hoje que é o fato de empresa e universidade cooperarem juntas para a realização de um projeto de relevância múltipla como este. Foi gratificante ver como os alunos se sentiram importantes, afinal estariam construindo algo de vulto para a sociedade, comunidade científica, área da educação e assinando seu primeiro trabalho como tradutores no mercado editorial.

Esse resultado tangível, de reconhecida utilidade e importância é um dos mais importantes aspectos da dimensão pedagógica do trabalho. O aceite do trabalho de tradução dos alunos pela editora e para publicação deixou clara a importância da proposta, do objetivo e guiou os alunos na jornada de trabalho. Outro aspecto de profundidade pedagógica foi o fato de que os alunos autonomamente se organizaram, sugeriram e validaram as formas de trabalho. Num primeiro momento, dividiram as cartas entre si, considerando o tamanho do texto para que cada um traduzisse uma quantidade igual de conteúdo, mas no decorrer do trabalho, viram que não poderia ser este o ponto, já que se quiséssemos fazer um trabalho que realmente pudesse ser publicado um pensamento restrito à quantidade de texto que um ou outro traduziria não poderia se estabelecer ali, e veio o “insight” – um dos mais bonitos: reavaliaram a situação, consideraram as particularidades de cada um dos envolvidos, levaram em conta tempo, destreza de cada um e pensaram na qualidade do trabalho final, alguns traduziram mais outros menos, alguns trabalharam mais e outros menos, mas todos estiveram reunidos em torno de um objetivo, todos se ajudaram e se sentiram contemplados, o respeito às individualidades foi preservado coletivamente e assim também se deu o aprendizado – não poderia ser mais pedagógico e pestalozziano! Primeiro, eles traduziram as peças, depois as trocaram entre si para revisá-las, fizemos um glossário específico dos termos utilizados nas cartas. Foi uma decisão deles também formar uma equipe de revisores antes de finalizar o trabalho e assim fizemos. É preciso que se diga que o projeto, as interações entre alunos, professor, editora, as revisões e comunicações foram feitos em arquivos compartilhados na rede mundial de computadores – o projeto foi realizado “na nuvem”.

Do ponto de vista tradutório a experiência também foi rica. Os 16 tradutores – cada um com seu estilo – se depararam com 34 cartas que haviam sido escritas pelo mesmo autor e, portanto o estilo e a estética precisariam ser comuns em cada uma delas, a atitude do tradutor na execução do texto precisaria ser a mais imparcial possível – sua pessoalidade não poderia aparecer muito a fim de que pairasse na superfície do texto a autenticidade do autor. Para minha surpresa, o envolvimento foi tal, a conexão foi tanta, que isto aconteceu naturalmente – de primeira, os ajustes na revisão ficaram por conta de acertos técnicos como correções de pontuação, um ou outro deslize de concordância e coisas assim, o essencial mesmo. Mas o espírito do texto já estava ali, inteiro e ao mesmo tempo divido em cada uma das cartas. Cada tradutor se enriqueceu individualmente, mas não perdeu de vista o coletivo – nem poderia. Pestalozzi em suas cartas fez menções a fragmentos bíblicos, reproduziu trechos de poesias sem tradução para o português. Desafios tradutórios que os alunos aceitaram e venceram. Além disso, compreenderam que não é possível realizar um trabalho de tradução sem que haja uma apropriação do texto e do contexto do autor e sem se identificar com o tema.

Foi uma experiência pestalozziana, não somente porque as cartas traduzidas são do próprio Pestalozzi, mas porque avaliamos, reavaliamos o processo, absorvemos cognitivamente a experiência, aprendemos na prática, construímos pelo caminho e nos envolvemos com afeto – cada um de nós era cabeça, mãos e coração construindo, aprendendo – realizando um projeto, parte de uma jornada de desenvolvimento individual e coletivo que não tem fim.

Este foi um singular projeto tradutório de profundidade e relevância pedagógicas, realizado pela educação, na prática educativa, dentro de uma escola convencional, num curso superior de tradução e letras. Embora reconheça meu importante papel de articulador e coordenador deste trabalho – que foi lindo – não acho que foi uma ideia brilhante concebida por mim, pois seus elementos constitutivos já existiam todos como o texto de domínio público esperando para ser traduzido para o português, aspirantes a tradutores ávidos pelo seu primeiro trabalho, a editora comprometida com a difusão de textos relevantes para a transformação social e a faculdade que continuamente busca parcerias com a empresa para enriquecer a prática dos alunos. E vejo ainda que essa articulação entre as pessoas, instituições, conhecimentos pode nos levar muito longe. Basta que estejamos conectados, que tenhamos em mente as oportunidades e que todos queremos aprender. Sempre!

 

Renato Andrioli é tradutor e intérprete, pós-graduado em Pedagogia Espírita e Tanatologia, professor Universitário de Tradução na Anhanguera – Unibero.

4 thoughts on “De Pestalozzi para Pestalozzi: um projeto de tradução

  1. Quando há união, há força. A simples vontade de participar de um projeto, onde o nível de pensamento é uníssono, onde transpira Amor pela Sabedoria, faz com que a positividade satisfaça o resultado final.

    Curtido por 1 pessoa

  2. E as oportunidades estão em toda parte, mas é que muito frequentemente ficamos tão alienados na forma de sociedade em que vivemos que não nos damos conta delas.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s