Consumismo e crise hídrica

A conhecida frase, que diz que toda crise pode ser vista como oportunidade, não se aplica às questões da falta de água, que ocorrem no estado de São Paulo e em outras partes do mundo.

Quando a crise foi anunciada, apesar de maquiada e justificada por questões climáticas, o estranhamento que provocou pode ser entendido como ignorância de que a água é um bem vital, mas finito. Muitas pessoas passaram por um processo de negação até entenderem a gravidade da situação e os meios de comunicação hesitaram até tomarem partido, percebendo as implicações políticas envolvidas no caso. A falta de investimento nos sistemas de abastecimento de água e uma política de prevenção ficaram expostas à população ingênua, crédula e inconsequente.

Depois de decorrido um ano da descoberta de que os reservatórios da cidade de São Paulo estão se esgotando, principalmente o do Sistema Cantareira, o que se sabe é que há um racionamento velado nos bairros da periferia, sob o nome de diminuição da pressão.

Há bairros mais distantes do centro em que os moradores ficam vários dias sem água e outros mais no centro ou de classe média alta quase não são afetados.

Nessa situação, as soluções propostas pelo governo são relacionadas à garantia de consumo, como ampliação da captação de água de outros reservatórios ou até mesmo a retirada de outros Sistemas através do uso de adutoras para abastecer alguns bairros que anteriormente utilizavam o Sistema Cantareira, como no caso do Rio Claro, onde foram construídas mais de 80km de adutoras.

Outras ações foram tomadas como a doação de caixas d’água para moradores de baixa renda de alguns bairros da periferia esperando-se que a instalação ocorresse por conta dos mesmos. O interessante é pensarmos que outras caixas d’água ou a coleta da água da chuva são soluções incompatíveis com racionamento e com multa pelo aumento do consumo ou em época de estiagem. Como armazenar com racionamento?

Nesse caso fica clara a opção pela manutenção do consumo. Apesar de algumas tímidas iniciativas de aplicação de multas, a discussão não fluiu para um debate sobre uso consciente e muito menos sobre sustentabilidade.

The Foolish Brothers

A oportunidade nesse caso não emergiu da crise. Soluções paliativas, como as descritas, jogam o problema para mais adiante e não educam o cidadão a viver de acordo com a demanda disponível e decrescente de água. Já se pode notar na cidade condomínios de classe média e alta perfurando poços freneticamente, para manterem seus níveis extravagantes de consumo.

Não se pode perfurar, desviar indefinidamente, à caça de mais e mais água – os estudos mais rudimentares apontam para um aumento natural do consumo devido ao aumento dos moradores nos centros urbanos. O que se assistirá daqui para frente, portanto, é aquele caso onde se cobre de um lado e descobre do outro.

Se encararmos a sobrevivência como mero item de consumo teremos uma surpresa, pois estaremos educando uma nova geração talvez ainda mais irresponsável do que fomos.

Apesar desse quadro assustador ainda há uma saída: a educação para a sustentabilidade e essa é uma bandeira que a Universidade Livre Pampédia convida você para levantar conosco.

Uma educação integral, autônoma, solidária e, por isso, sustentável é o que propomos para uma vida melhor. Uma educação que integra o homem em si mesmo, em relação ao seu próximo e, sobretudo, em relação ao seu planeta.

Claudia Mota

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s